Me perder

01 fevereiro 2016

Eu queria me perder nos braços dele. Queria me perder para que ele pudesse me achar de novo como já fez antes. Queria me perder para que ele fizesse o que sempre faz. A cada dia, me perco um pouco, e ele traz de volta mais outro pedaço, um que eu nem lembrava que era meu.

Era simples assim: sabe aquele amor de tirar o fôlego?
Aquele que arde, aquele que não te deixa dormir?
Aquele amor que não acaba?

Era aquele.

Eu só consigo lembrar. Dia após dia. Me lembro das nossas brincadeiras, das nossas risadas. De como eu era sua pequena e você era meu grandão.

Você se lembra disso, meu amor?

Essa é apenas uma carta de uma admiradora. Sou apenas a garota que disse que ia te amar. Talvez não saiba nem agora nem nunca o quanto eu te amo. Sabe, às vezes as pessoas nunca entendem o quanto são amadas, por que amor não é algo para ser visto, e se é contemplado, é apenas um acidente.
Uma declaração ou outra que acaba por aí, sendo falada e aplaudida. Mas o amor não tem essa coisa de ser visto. O amor se esconde em tantas coisas, e às vezes a gente não vê quando tá na gente. Entende?

Você se lembra?

Como não poderia. Os melhores dias da nossa vida. Muita coisa passou, mas a saudade não. Sinto todos os dias você um pouco comigo, afinal, ainda está tudo aqui. Suas flores ainda estão em cima da minha mesa, sua xícara de café tá esfriando na pia da cozinha. Todos os seus presentes na minha gaveta, os livros que você soube que eu queria e me deu de presente. Sua letra meio torta, com meu nome em um coração. Se lembra?
Todos os dias de inocência.

Ainda está tudo aqui.
E eu sei que você também está.
Só queria dizer que sinto saudade, e saudade não é uma coisa que a gente mede, mas sempre acaba sendo maior do que o amor que a gente sente.
Só queria dizer dessa vez, que te amo, e que te espero sentada aqui. Preparo um café novo, troco as flores por novas.
Que seja uma viagem curta, de verdade. Por que eu sempre soube que você nunca tinha ido.
Parece confuso assim, numa carta, mas é verdade.

Eu só queria me perder nele, dia após dia.



Paula Matcki

Nenhum comentário:

Postar um comentário